Pessoal

É apenas uma fase da vida

Se aprendi algo neste últimos 1 ano e nove meses na Nova Zelândia é que a vida acontece de uma forma inusitada e muitas vezes não temos controle sobre nada. Eu gosto de planejar. Gosto de imaginar cenários de eventos que nem se quer aconteceram só para me sentir mais calma. Ao mesmo tempo, gosto de surpresas, mudanças e aventuras, grandes e pequenas, simples ou promissoras.

Ainda assim é inútil tentarmos ter controle absoluto sobre os acontecimentos da nossa vida. Às vezes só é possível vivênciá-los da melhor forma possível. Não pensar no futuro, na sua lista de tarefas para o dia seguinte. Como é mesmo que dizem por aí? Não se esqueça de aproveitar a jornada? Pois é. Descobri que a jornada é muito importante, talvez até mais que a linha de chegada, pois é nela que você vive e aprende.

Aprendi a dar valor para o momento presente e as coisas imprevisiveis da vida. Aprendi a não vê-las como ‘empecilhos’ ou desafios monstruosos que preciso viver. É apenas a vida, simples assim. Houve uma época em que fiquei presa nas minhas dúvidas e inseguranças, esperando que o próximo dia fosse melhor, mas como tudo seria melhor sem mim? Agora entendo. É preciso movimento. E calma. É respirar fundo, seguir em frente e, principalmente, confiar.

Por que toda essa enrolação? Bom, a vida me surpreendeu de uma forma incrível nestes últimos meses. Quando pensei que não tinha escolha a não ser me afundar no pessismismo, boom! A  vida e sua mania de brincar com nossos corações frágeis aconteceu e cá estou. Tenho escolha sim. Todos nós temos.

Agora estou passando um período no Brasil. Voltar foi mais fácil do que pensei. Encarar a vida nos olhos foi bem mais fácil do que pensei. Talvez aquela insegurança fosse fruto de meus pensamentos desenfreados. Vou passar seis meses em Brasília, a nossa querida capital, a qual nunca tive a oportunidade de conhecer. Mas e a Nova Zelândia? Ainda quero voltar. Ainda quero ver meus amigos queridos. Ainda quero morar em um local tão bonito e tão perto do meu continente favorito: a Ásia. E agora sei que tudo vai dar certo com o tempo e uma pitada de esforço pessoal, então, estou tranquila.

Vou reviver este blog também.

Beijos,
Nath.

Leave a Reply