Pessoal

Devaneios de Maio

Maio foi um mês corrido. Passou num piscar de olhos. Recebi uma mensagem de uma amiga minha da Filipinas sobre uma vaga de emprego no local onde ela trabalha. Na verdade, ela conseguiu um trabalho que poderá render um visto de trabalho de dois anos (yay) e eu praticamente fiquei com todos os turnos dela neste outro local. A partir daí minhas semanas paradas se tornaram agitadas — até demais.

Era para ser um job fácil: três horas por dia, seis dias por semana, e às vezes oito horas quando necessário. O meu contrato é casual, ou seja, sou apenas chamada quando eles precisam e posso recusar o trabalho se quiser. Um emprego de meio período não é bem a coisa mais legal do mundo, mas é um começo.

E aí entra a parte estranha de trabalhar na Nova Zelândia: eles são muito desorganizados. Neste post aqui eu mencionei a cultura de trabalho dos kiwis e, apesar de eles terem umas ideias bacanas, tem algumas coisas que não fazem sentido. As empresas parecem estar sempre com pouca staff (depois reclamam que ninguém acha emprego, mas fica difícil quando pouca gente está disposta a contratar), e o RH não serve para muita coisa.

Fui treinada para trabalhar no café das quatro até as sete da noite, mas acabei fazendo algo totalmente diferente. Um dos funcionários da cozinha entrou de férias na mesma época em que a única funcionária que poderia cobri-lo também entrou. Tá vendo a desorganização? Restou para a nova funcionária cobrir as férias do fulano de tal.

Por duas semanas trabalhei das cinco e meia da manhã até as três da tarde, correndo de lá para cá e tentando entender como é trabalhar numa cozinha. Era encarregada de preparar tudo para o café da manhã e o almoço do hospital (bandejas para quase 40 pessoas com frutas, suco, sanduíches), lavar a louça, e fazer outros corres em outros lugares.

Foi uma experiência tragicômica: eu, sem conhecimento algum da área e com um treinamento mixuruca de três dias, fazendo o trabalho que seria necessário três pessoas no minímo, com pressão para ser tudo perfeito se não já começavam a reclamar. Realmente não entendo o porquê de eles não contratarem pessoas o suficiente e exigirem tantos de seus funcionários.

Felizmente agora é só trabalhar no café! Enquanto isso continuo procurando emprego na minha área. Meu maio poderia ter sido melhor, confesso, mas pelo menos agora tenho um pé de meia para viagens futuras (oi, Japão e Coréia do Sul!). Me contem como foi o mês de vocês! 🙂

Beijos,
Nath.

PS: Todo ano essa música do Kid Abelha me vem a cabeça nesse mês. Motivos óbvios.

PS 1: É outono na Nova Zelândia!

Nova Zelândia - APR - Trabalho na NZ

6 Comments

  1. Camila Faria

    1 de junho de 2017 at 00:55

    Que pena isso das empresas serem tão desorganizadas por aí… Ainda bem que a fase mais complicada já passou e agora você está com os dias mais calmos. Um beijo e um ótimo junho pra você! <3

    1. Nath

      5 de junho de 2017 at 13:01

      Obrigada Camila! Ótimo junho pra vc tb! 🙂

  2. Claudia Hi

    1 de junho de 2017 at 23:00

    Que bom que já passou a fase corrida no trabalho Nath. Espero que você consiga encontrar um emprego legal na sua área.

    Eu adoro quando você escreve posts assim bem pessoais sobre as suas experiências por aí!

    1. Nath

      5 de junho de 2017 at 13:01

      Eu espero também encontrar algo haha Essa vida de empregos malucos tá difícil!

  3. KARINE

    2 de junho de 2017 at 17:01

    eita que tristeza essa desorganização, você deve ter quase surtado trabalhando por três! mas ainda bem que acabou e agora vai poder investir em viagens =D meu maio foi esquisito e com pouca inspiração, mas enfim, né? coisas da vida, haha.

    1. Nath

      5 de junho de 2017 at 13:01

      Meu maio também foi sem inspiração. Espero que junho seja melhor para nós! <3

Leave a Reply